Acerca de mim

A minha foto
Coimbra, Portugal

quarta-feira

Leucemia Linfocítica Aguda

Leucemia: «Doença neopásica aguda ou crónica caracterizada pela proliferação anormal e geralmente intensa dos leucócitos e das suas células de origem na medula óssea, por vezes associada à proliferação dos eritroblastos. É acompanhado habitualmente por alterações quantitativas e qualitativas dos leucócitos no sangue periférico. Conforme o tipo de leucócitos, distinguem-se diversas formas com manifestações clínicas diferentes...»
(Dicionário Médico–L.Manuila, A.Manuila, P.Lewalle e M.Nicolin )

As leucemias são cancros das células sanguíneas que habitualmente afectam os glóbulos brancos. A causa da maioria dos tipos de leucemia ainda é desconhecida. São doenças oncológicas do sangue, em que uma população de células malignas (os blastos) se infiltram e “asfixiam“ a medula óssea, impedindo a produção normal de células do sangue.

Factores de risco
Estudos identificaram os seguintes factores de risco para leucemia:

  • A leucemia ocorre mais frequente em homens do que em mulheres, e é mais comum entre brancos.
  • Exposição crónica a certos químicos pode ser uma das causas do desenvolvimento de leucemia. Benzeno é um químico muito usado que está relacionado às causas da leucemia. O benzeno também é encontrado no fumo do tabaco e, por conseguinte, um factor de risco para a leucemia.
  • Certas desordens e doenças genéticas, como síndrome de Down, podem elevar o risco de leucemia. Em torno de 3 em cada 10 pessoas com uma desordem sanguínea chamada síndrome mielodisplásica desenvolvem leucemia mielóide aguda.
  • Altos níveis de radiação também podem ser uma das causas de leucemia. Pessoas expostas a altas doses de radiação estão sob risco de desenvolver leucemia.
  • Embora a quimioterapia e radioterapia ajudem muitas pessoas com várias formas de cancro, eles estão relacionados entre as causas de cancros secundários, como a leucemia, muitos anos depois do tratamento. A combinação de quimioterapia e radioterapia pode elevar significativamente o risco de desenvolver leucemia.
Tipos de leucemia
Há diferentes tipos de leucemias. Estas doenças malignas do sangue podem ser classificadas como agudas ou crónicas, podendo cada uma destas ser ainda subdividida em mielóide (mieloblastos, se tiverem a sua origem num mieloma) e linfóide (linfoblastos, se tiverem a sua origem num linfoma). São denominadas em função da velocidade de progressão e do tipo de glóbulo branco que afectam.
As leucemias agudas progridem rapidamente enquanto as leucemias crónicas se desenvolvem geralmente de forma mais lenta. As leucemias linfáticas afectam os linfócitos enquanto que as leucemias mielóides afectam os mielócitos. Os mielócitos transformam-se em granulócitos, outra maneira de designar os neutrófilos.

  • Leucemia linfocítica aguda (linfoblástica - evolução rápida).
  • Leucemia mielóide aguda (mielocítica, mielogénea, mieloblástica, mielomonocítica, evolução rápida).
  • Leucemia linfocítica crónica (incluindo sindroma de Sézary, tricoleucemia, - evolução lenta).
  • Leucemia cielóide crónica (mielocítica, mielogénea, granulocítica - evolução lenta).
Leucemia linfocítica aguda
Este tipo de leucemia é muito frequente em crianças (abrange cerca de 25-30% de todos os cancros em crianças), com idades inferiores a 15 anos, embora se apresente também nos adolescente e, com menos frequência nos adultos.
É uma doença do sangue que faz com que as células que normalmente se transformam em linfócitos, se tornem cancerosas e rapidamente destruam e substituam as células que produzem células sanguíneas normais que se encontram em regra geral na medula óssea.
Libertam-se no fluxo sanguíneo e são transportados para o fígado, baço, gânglios linfáticos, cérebro, rins, orgãos reprodutores, entre outros, onde se continuam a reproduzir, multiplicar e dividir.
Podem irritar a membrana que recobre o cérebro, chegando mesmo a provocar meningite ou anemias, insuficiência hepática ou renal e lesões de vários outros orgãos.

Sintomas
Provoca sintomas de fraqueza, falta de ar, infecções, febres, hemorragias, fadiga, palidez, gengivas que sangram com facilidade, manchas na pele, tendência para hematomas... As células leucémicas que se encontram no cérebro podem provocar dores de cabeça, vómitos, irratibilidade... A medula óssea pode causar dor óssea e articular.

Tratamento
Presentemente a leucemia é uma doença com alto potencial de cura, com tratamentos intensivos de quimioterapia, por vezes associada à radioterapia ou através de transplante de medula óssea. A gravidade da doença varia de doente para doente, dependendo quer das características particulares de cada leucemia quer das características próprias do doente.

Retirado de texto de Nuno Nogueira (2007)

Sem comentários:

Enviar um comentário