Acerca de mim

A minha foto
Coimbra, Portugal

sexta-feira

O cíume entre irmãos

O ciúme é um sentimento complexo, habitualmente presente na relação entre irmãos.
O nascimento de um bebé causa um forte impacto no irmão primogénito, que tem de aprender a partilhar a atenção dos pais, da qual, até então, usufruía com exclusividade.
É importante que os pais identifiquem precocemente o problema e actuem de forma a dar à criança a segurança afectiva que ela precisa.
A integração da criança nos preparativos e nas rotinas do recém-nascido é um meio mais eficaz de reprimir o ciúme, já que ela se sente importante e necessária nessas tarefas.

Já em 1920, Freud sublinhava que "não há provavelmente nenhuma casa sem conflitos violentos entre os seus habitantes mais pequenos, seja pela rivalidade, pelo amor dos pais, competição por objectos comuns, ou mesmo pelo espaço físico do lugar que ocupam".

Entre os 2 e os 6 anos, as relações com os irmãos constituem, mais do que em qualquer outra idade, a parte mais importante do meio social da criança. É nestas idades que geralmente nasce um irmão, um momento muito importante na vida de uma criança e que altera todo o seu pequeno universo.
O ciúme é uma reacção normal ao afastamento provocado pela chegada inexplicável de um "intruso", pois este passará a compartilhar com a criança o amor e a atenção dos pais.

A reacção da criança vai depender da sua idade aquando o nascimento do irmão:
  • 18-24 meses - a criança tem muita dificuldade em compreender e aceitar a chegada de um irmão, pois está a viver uma fase em que descobre o medo da separação da mãe e, mais tarde, a crise de oposição e do negativismo sistemático.
  • 3 anos - a adaptação também pode ser difícil pois pode coincidir com a entrada no jardim-de-infância e as reacções negativas à presença do irmão podem ser confundidas com a má adaptação escolar.
  • 4-5 anos - a adaptação à chegada de um irmão é mais fácil pois a criança compreende o que se está a passar à sua volta e já é capaz de tomar conta de si.
  • > 6 anos - a chegada de um irmão habitualmente é encarada de forma positiva, assumindo mesmo o papel de irmão mais velho.
O modo como a criança manifesta e exterioriza o ciúme é muito variável, dependendo da idade da criança e das reacções dos pais. O comportamento regressivo é a forma mais comum e caracteriza-se pela retoma de comportamentos que já tinham sido abandonados, como a regressão na linguagem, voltar a querer o biberão/chupeta, enurese nocturna, entre outras.
No entanto, a exigência constante de atenção, ou pelo contrário, mau comportamento sistemático para chamar a si as atenções, pode ser um modo de manifestação.

A criança pode até ter atitudes de hostilidade dirigidas ao irmão ou à mãe. Uma outra forma de reagir é a atenção e preocupação constantes com o irmão, rodeando a mãe e o bebé de cuidados excessivos, com o desejo de agradar e recuperar o "amor perdido" da mãe. É nesta altura que a criança se questiona constantemente sobre: "Se os meus pais me amam, porque querem outro filho?", "Vou continuar a ser admirado?", "Será que vão continuar a gostar de mim?".

O ciúme revela-se do irmão mais velho pelo mais novo, pois é o irmão mais velho o único que conheceu uma realidade em que o irmão não estava presente e tem a perder com a sua chegada. O mais novo sempre viveu na presença do mais velho e geralmente tem sentimentos positivos tendo-o como objecto de imitação e mentalmente identificando-se com ele.

Tal não se passa com gémeos, pois como nasceram ao mesmo tempo, não conhecem a vida um sem o outro. Habitualmente têm o mesmo desenvolvimento, não apresentando diferenças significativas ao nível da força física, mental ou experiência adquirida. Nesta situação em particular, em regra, o ciúme não existe pois os pais geralmente adoptam um comportamento semelhante para os dois.

A atitude dos pais é determinante, pois o modo como tratam cada filho poderá estar na origem das relações conflituosas - a base de toda esta rivalidade/hostilidade assenta no desejo de a criança ter o amor dos pais.

À medida que o tempo vai passando e o irmão mais novo cresce, o mais velho assume o papel de "irmão mais velho". É nesta altura que a atitude dos pais é fundamental, pois, se demonstrarem compreensão e atitudes positivas, a criança supera o ciúme inicial, caso contrário, pode gerar-se um ciclo vicioso e "traumatizante" para a criança.

Para se estabelecerem relações adequadas entre irmãos e para prevenir o ciúme entre eles, há algumas recomendações a ter em conta:
1) A criança deve contar com mais do que um adulto para lhe proporcionar a segurança e atenção desejáveis (mãe e pai), de forma a tornar-se mais fácil superar o ciúme e não se sentir abandonada com a chegada do irmão.

2) Deve evitar-se que o nascimento de um irmão coincida com outras mudanças importantes na vida da criança (por exemplo, a entrada no infantário). Após o nascimento do bebé, não se deve reduzir a quantidade, nem a qualidade da atenção, que a mãe e o pai dispensam à criança mais velha, tentando manter a rotina anterior ao nascimento do irmão.

3) Ajudar o irmão mais velho a assumir o novo papel, ressalvando a sua importância, e prevenindo o ciúme que aparece com frequência quando a mãe ou o pai estão absorvidos no cuidado do bebé. Convém estimular a sua participação nesses cuidados, de forma que o filho se sinta importante e prestável.

4) Evitar comparações, bem como a distribuição de papéis entre irmãos. Os pais devem colocar em evidência os progressos de cada criança e as suas qualidades em diferentes áreas, sobretudo nas actividades que constituem as suas especializações, e sempre tomando a própria criança como referência. Pretende-se com isto valorizar o seu progresso em determinada situação, aumentando a sua auto-estima.

O amor de uma criança pelos seus pais é extremamente intenso e incondicional, portanto, há o desejo da exclusividade. O sentimento de ciúme deve ser encarado de forma natural. É próprio do ser humano... Se os pais fizerem um esforço contínuo para ajudar os seus filhos nas suas angústias, as crianças terão oportunidade de aprender, a cada dia, a adaptar-se às novidades e a abrir mão do egocentrismo próprio da primeira infância.É muito importante que os pais estejam em sintonia com os sentimentos das crianças e as ajudar a manifestar-se.

Autora: Sandra Costa, com a colaboração da pediatra Iris Maia

Sem comentários:

Enviar um comentário