Acerca de mim

A minha foto
Coimbra, Portugal

quarta-feira

Importância da vitamina D

A vitamina D pode ser produzida na pele através dos raios ultravioletas da luz solar, ou seja, a vitamina D é produzida no organismo pela transformação (sob a acção da radiação ultravioleta da luz solar) da pró-vitamina D ingerida, que se concentra na pele.
A vitamina D tem o nome científico de Calciferol e é solúvel em gordura.

A vitamina D, também chamada "vitamina da luz solar" (tendo em vista que é produzida pelo organismo após a exposição à luz solar), promove a absorção de cálcio, essencial para o desenvolvimento normal dos ossos e dentes.
Também ajuda a manter os níveis sanguíneos de cálcio e fósforo (minerais). Actua também na fixação de cálcio e fósforo nos ossos, e actua no crescimento prevenindo o raquitismo.
A vitamina D também é muito importante para crianças, gestantes e mães que amamentam.

Benefícios da Vitamina D
A vitamina D regula o metabolismo do cálcio e do fosfato (fósforo), essenciais para a formação de ossos e dentes sadios, e previne o raquitismo.

Fontes da Vitamina D
A vitamina D não é encontrada pronta na maioria dos alimentos; estes contêm, em geral, um precursor que se transforma na vitamina quando exposto aos raios ultravioleta da luz solar.
Dez a quinze minutos diários de exposição ao sol, três vezes por semana, são suficientes para atender às necessidades de vitamina D do organismo.

Os alimento, em geral, são pobres em vitamina e pró-vitamina D. As suas fontes principais são o óleo de fígado de bacalhau, peixes (sardinha, salmão, arenque), grãos germinados, cereais matinais, leite (principalmente os enriquecidos em vitamina D), queijos, nata, manteiga e ovos.
É importante lembrar que é necessária a luz solar para ser sintetizar a vitamina D, a partir do calciferol, uma proteína existente no organismo.

Insuficiência de Vitamina D
No fígado, a vitamina D é convertida numa forma que pode ser transportada pelo sangue. Nos rins, essa forma é modificada para produzir hormónios derivados da vitamina D, cuja função principal é aumentar a absorção de cálcio no intestino e facilitar a formação normal dos ossos. Na deficiência de vitamina D, as concentrações de cálcio e de fosfato no sangue diminuem, provocando uma doença óssea porque não existe uma quantidade suficiente de cálcio disponível para manter os ossos saudáveis.
Esse distúrbio é denominado raquitismo nas crianças (doença que se manifesta com atraso no fechamento da moleira nos recém-nascidos (importante na calota craniana), desmineralização óssea, as pernas tortas e outros sinais relacionados com estrutura óssea), e osteomalácia nos adultos, onde se desenvolve ossos fracos e moles.

A insuficiência de vitamina D pode ser causada pela exposição inadequada à luz solar ou pela falta de vitamina D na dieta. Essa insuficiência pode ocorrer em indivíduos idosos porque a pele produz menos vitamina D, mesmo quando exposta à luz solar.
A insuficiência de vitamina D durante a gravidez pode causar osteomalácia na mulher e raquitismo no feto.
A deficiência de vitamina D também provoca cáries, e outros problemas nos dentes, ossos fracos (descalcificação e fragilidade dos ossos), e contribui para os sintomas da artrite.

Contra-indicações do uso de vitamina D
O consumo de uma dose 10 vezes maior do que a recomendada de vitamina D durante vários meses pode causar intoxicação, acarretando um aumento da concentração de cálcio no sangue. Os sintomas iniciais da intoxicação pela vitamina D são a inapetência, a náusea e o vómito, os quais são acompanhados pela sede excessiva, aumento da micção, fraqueza, nervosismo e hipertensão arterial.

O cálcio pode depositar-se por todo o corpo, sobretudo nos rins, onde pode causar uma lesão permanente. A função renal torna-se deficiente, acarretando a passagem de proteínas para a urina. Também ocorre um aumento da concentração de ureia (um produto da degradação metabólica) no sangue.
Grandes doses podem levar a altos níveis de cálcio, especialmente em crianças, o que pode resultar em má formação do osso, apesar disto ser extremamente raro.

Fonte: Saúde na Rede

Sem comentários:

Enviar um comentário