Acerca de mim

A minha foto
Coimbra, Portugal

terça-feira

Modelo TPBA - avaliação de autistas

O modelo TPBA foca-se no que a criança mais gosta de fazer - o brincar e as actividades mais significativas. Esta avaliação deve ser realizada por uma equipa que vai trabalhar no sentido de um esforço cooperativo. É necessário envolver os pais e os educadores da criança. As vantagens são inúmeras para todos os intervenientes. Para a criança, a situação torna-se muito mais divertida e para os pais, o processo tem muito mais significado e torna-se menos frustrante.

Assim, a avaliação baseada no brincar envolve a criança nas situações de jogo estruturadas, ou não, pelos pais ou profissionais. A criança é observada durante um determinado período de tempo a brincar com um facilitador que pode ser um profissional da equipa ou um dos pais. O facilitador deve comentar a acção da criança, modular os estímulos, usar tempos de espera, introduzir o turn-taking, promover a interacção social, provocar acontecimentos interessantes, ajudar a criança a criar estratégias para resolver problemas e equilibrar a experimentação, demonstração e orientação.

Sessão de avaliação baseada no TPBA
O processo é dividido em fases. Inicialmente, os pais integram a sessão com a criança e ficam com ela até que esta se sinta confortável com o facilitador.

A fase I inicia-se com jogo não estruturado, durante o qual a criança lidera a brincadeira e o facilitador apenas imita, modela e expande. Esta fase dura cerca de vinte minutos.

Na fase II, permite-se o jogo estruturado para incorporar aspectos que não foram demonstrados, espontaneamente, pela criança. Nesta situação pretende-se iniciar o jogo cooperativo com a criança, para avaliar outras competências de socialização, interacção, etc. Dura cerca de 15 minutos.

Durante a fase III introduz-se outra criança de forma a observar-se a interacção entre pares.

A fase IV destina-se à observação da interacção da criança com os pais durante a brincadeira estruturada e não estruturada. Quando os pais se retiram novamente da sala, a equipa pode avaliar os comportamentos da criança perante a separação e reunião.

Na fase V inclui-se o jogo motor estruturado e não estruturado.

A fase final (VI) permite avaliar as competências da criança durante a alimentação, proporciona-se um lanche para avaliar outras competências, como por exemplo a motricidade orofacial, a interacção da criança enquanto come, etc. Se necessário, inclui-se uma fase de vestir e/ou de higiene para se verificar outras habilidades a nível das rotinas diárias da criança.

Por vezes, a filmagem da sessão é recomendada, pois a sua análise e comparação com a informação recolhida, vai possibilitar documentar o progresso da criança.
Após a sessão, são seguidos determinados passos de forma a definir o plano de intervenção para a criança. Realiza-se uma reunião com o facilitador e os observadores para se discutir impressões, partilhar informações e formular questões. De seguida, analisa-se o vídeo, o que permite a observação de comportamentos negligenciados durante a sessão. Posteriormente, correlacionam-se as observações e as “guidelines” de desenvolvimento, o que vai possibilitar a determinação daquilo que a criança já consegue fazer e, consequentemente, do que está pronta para fazer. Logo a seguir, completam-se as folhas de sumário que acompanham as “guidelines” de observação e desenvolve-se em equipa um plano preliminar de recomendações. De seguida, numa reunião de equipa prepara-se o planeamento do programa. Finalmente, escreve-se um relatório formal onde se inclui o desempenho quantitativo e qualitativo da criança e que vai servir como base para o planeamento da intervenção.

Sem comentários:

Enviar um comentário